quinta-feira, 30 de junho de 2011

Canudos

Guerra de Canudos


Guerra de Canudos
40th infantry batallion canudos 1897.jpg
O 40º Batalhão de Infantaria, da província do Pará, em Canudos, 1897.
Data 7 de novembro de 1896 - 5 de outubro de 1897
Local Interior do sertão baiano
Resultado Vitória das tropas federais e destruição total da cidade de Canudos
Combatentes
Conselheiristas Tropas estaduais e federais
Comandantes
Antônio Conselheiro
João Abade
Pajeú
Joaquim Macambira
Pedrão
Capitão Virgílio Pereira de Almeida
Tenente Manoel da Silva Pires Ferreira
Major Febronio de Brito
Coronel Antônio Moreira César
General Artur Oscar
Forças
25.000 (estimado) 12.000
Baixas
20.000 (estimado) 5.000 (estimado)
A Guerra de Canudos ou Campanha de Canudos, também chamada de Guerra dos Canudos[1], foi o confronto entre o Exército Brasileiro e integrantes de um movimento popular de fundo sócio-religioso liderado por Antônio Conselheiro, que durou de 1896 a 1897, na então comunidade de Canudos, no interior do estado da Bahia, no nordeste do Brasil.
A região, historicamente caracterizada por latifúndios improdutivos, secas cíclicas e desemprego crônico, passava por uma grave crise econômica e social. Milhares de sertanejos e ex-escravos partiram para Canudos, cidadela liderada pelo peregrino Antônio Conselheiro, unidos na crença numa salvação milagrosa que pouparia os humildes habitantes do sertão dos flagelos do clima e da exclusão econômica e social.
Os grandes fazendeiros da região, unindo-se à Igreja, iniciaram um forte grupo de pressão junto à República recém-instaurada, pedindo que fossem tomadas providências contra Antônio Conselheiro e seus seguidores. Criaram-se rumores de que Canudos se armava para atacar cidades vizinhas e partir em direção à capital para depor o governo republicano, reinstalando a Monarquia. Apesar de não haver nenhuma prova para estes rumores, o Exército foi mandado para Canudos.[2] Três expedições militares contra Canudos saíram derrotadas, o que apavorou a opinião pública, que acabou exigindo a destruição do arraial, dando legitimidade ao massacre de até vinte mil sertanejos. Além disso, estima-se que cinco mil militares tenham morrido. A guerra terminou com a destruição total de Canudos, a degola de muitos prisioneiros de guerra, e o incêndio de todas as casas do arraial.

Mapa da localização de Canudos.

Antecedentes

A figura de Antônio Conselheiro

"Apareceu no sertão do Norte um indivíduo, que se diz chamar Antônio Conselheiro e que exerce grande influência no espírito das classes populares. Deixou crescer a barba e os cabelos, veste uma túnica de algodão e alimenta-se tenuemente, sendo quase uma múmia. Acompanhado de duas professas, vive a rezar terços e ladainhas e a pregar e dar conselhos às multidões, que reúne onde lhes permitem os párocos."
Descrição da Folhinha Laemmert, de 1877, reproduzida por Euclides da Cunha em Os sertões, 1902.
Antônio Vicente Mendes Maciel, apelidado de "Antônio Conselheiro", nascido em Quixeramobim (CE) a 13 de março de 1830, de tradicional família que vivia nos sertões entre Quixeramobim e Boa Viagem, fora comerciante, professor e advogado prático nos sertões de Ipu e Sobral. Após a sua esposa tê-lo abandonado em favor de um sargento da força pública, passou a vagar pelos sertões em uma andança de vinte e cinco anos. Chegou a Canudos em 1893, tornando-se líder do arraial e atraindo milhares de pessoas. Acreditava que a República, recém-implantada no país, era a materialização do reino do Anti-Cristo na Terra, uma vez que o governo eleito seria uma profanação da autoridade da Igreja Católica para legitimar os governantes. A cobrança de impostos efetuada de forma violenta, a celebração do casamento civil e a separação entre Igreja e Estado eram provas cabais da proximidade do "fim do mundo".

Caricatura na Revista Ilustrada, retratando Antônio Conselheiro, com um séquito de bufões armados com antigos bacamartes, tentando "barrar" a República.

Arraial de Canudos

Canudos era uma pequena aldeia que surgiu durante o século XVIII nos arredores da Fazenda Canudos, às margens do rio Vaza-Barris. Com a chegada de Antônio Conselheiro em 1893 passou a crescer vertiginosamente, em poucos anos chegando a contar por volta de 25 000 habitantes. Antônio Conselheiro rebatizou o local de Belo Monte, apesar de estar situado num vale, entre colinas.
A imprensa, o clero e os latifundiários da região incomodaram-se com a nova cidade independente e com a constante migração de pessoas e valores para aquele novo local. Aos poucos, construiu-se uma imagem de Antônio Conselheiro como "perigoso monarquista" a serviço de potências estrangeiras, querendo restaurar no país o regime imperial. Difundida através da imprensa, esta imagem manipulada ganhou o apoio da opinião pública do país para justificar a guerra movida contra os habitantes do arraial de Canudos.[2]

Situação social

O governo da República recém-instaurada precisava de dinheiro para materializar seus planos, e só se fazia presente no Sertão pela cobrança de impostos. A escravidão havia acabado poucos anos antes no país, e pelas estradas e sertões, grupos de ex-escravos vagavam, excluídos do acesso à terra e com reduzidas oportunidades de trabalho. Assim como os caboclos sertanejos, essa gente paupérrima agrupou-se em torno do discurso do peregrino Antônio Conselheiro, acreditando que ele poderia libertá-los da situação de extrema pobreza ou garantir-lhes a salvação eterna na outra vida.[3]

Cronologia do conflito


Canudos em 1897. Fotografia de Flávio de Barros, fotógrafo do Exército.

[O estopim e a primeira expedição

  • Outubro de 1896 – Ocorre o episódio que desencadeia a Guerra de Canudos. Antônio Conselheiro havia encomendado uma remessa de madeira, vinda de Juazeiro, para a construção da igreja nova, mas a madeira não foi entregue, apesar de ter sido paga. Surgem então rumores de que os conselheiristas viriam buscar a madeira à força, o que leva as autoridades de Juazeiro a enviar um pedido de assistência ao governo estadual baiano, que manda um destacamento policial de cem praças, sob comando do Tenente Manuel da Silva Pires Ferreira. Após vários dias de espera em Juazeiro, vendo que o rumor era falso, o destacamento policial decide partir em direção à Canudos, em 24 de novembro. Mas a tropa é surpreendida durante a madrugada em Uauá pelos seguidores de Antônio Conselheiro, que estavam sob o comando de Pajeú e João Abade. Após uma luta corpo-a-corpo são contados mais de cento e cinquenta cadáveres de conselheiristas. Do lado do exército morreram oito militares e dois guias. Estas perdas, embora consideradas "insignificantes quanto ao número" nas palavras do comandante, ocasionaram a retirada das tropas.[4]

A segunda expedição

  • Janeiro de 1897 - Enquanto aguardavam uma nova investida do governo, os jagunços fortificavam os acessos ao arraial. Comandada pelo major Febrônio de Brito, depois de atravessar a serra do Cambaio, uma segunda expedição militar contra Canudos foi atacada no dia 18 e repelida com pesadas baixas pelos conselheiristas, que se abasteciam com as armas abandonadas ou tomadas à tropa. Os sertanejos mostravam grande coragem e habilidade militar, enquanto Antônio Conselheiro ocupava-se da esfera civil e religiosa.

Pintura retratando Canudos antes da guerra.

A terceira expedição

  • Março de 1897 - Na capital do país, diante das perdas e a pressão de políticos florianistas que viam em Canudos um perigoso foco monarquista, o governo federal assumiu a repressão, preparando a primeira expedição regular, cujo comando confiou ao coronel Antônio Moreira César, considerado pelos militares um herói do exército brasileiro, e popularmente conhecido como "corta-cabeças" por ter mandado executar mais de cem pessoas a sangue frio na repressão à Revolução Federalista em Santa Catarina. A notícia da chegada de tropas militares à região atraiu para lá grande número de pessoas, que partiam de várias áreas do Nordeste e iam em defesa do "homem Santo". Em 2 de março, depois de ter sofrido pesadas baixas, causadas pela guerra de guerrilhas na travessia das serras, a força, que inicialmente se compunha de 1.300 homens, assaltou o arraial. Moreira César foi morto em combate, tendo o comando sido passado para o coronel Pedro Nunes Batista Ferreira Tamarindo, que também tombou no mesmo dia. Abalada, a expedição foi obrigada a retroceder. Entre os chefes militares sertanejos destacaram-se Pajeú, Pedrão, que depois comandou os conselheiristas na travessia de Cocorobó, Joaquim Macambira e João Abade, braço direito de Antônio Conselheiro, que comandou os jagunços em Uauá.

A quarta expedição

  • Junho de 1897 - O primeiro combate verificou-se em Cocorobó, em 25 de junho, com a coluna Savaget. No dia 27, depois de sofrerem perdas consideráveis, os atacantes chegaram a Canudos. Durante os primeiros meses, as tropas conseguem pouco resultado. Os sertanejos estão bem armados com armas abandonadas pela expedição anterior, e o exército não tem a infra-estrutura necessária para alimentar suas tropas, que passam fome.
  • Agosto de 1897 - O próprio ministro da Guerra, marechal Carlos Machado Bittencourt, seguiu para o sertão baiano e se instalou em Monte Santo, com o intuito de colocar um fim ao caos em que estava o abastecimento das tropas. Monte Santo se torna base das operações.[5]

Mulheres e crianças, seguidoras de Antônio Conselheiro, presas durante os últimos dias da guerra.

Antônio Conselheiro morto, em sua única foto conhecida, tirada por Flávio de Barros no dia 6 de outubro de 1897.
  • Setembro de 1897 - Após várias batalhas, a tropa conseguiu fechar o cerco sobre o arraial. Antônio Conselheiro morreu em 22 de setembro, supostamente em decorrência de uma disenteria. Após receber promessas de que a República lhes garantiria a vida, uma parte da população sobrevivente se rendeu com bandeira branca, enquanto um último reduto resistia na praça central do povoado. Apesar das promessas, todos os homens presos, e também grupos de mulheres e crianças acabaram sendo degolados - uma execução sumária que se apelidou de "gravata vermelha".[6] Com isto, a Guerra de Canudos acabou se constituindo num dos maiores crimes já praticados em território brasileiro.[7]
  • Outubro de 1897 - O arraial resistiu até 5 de outubro de 1897, quando morreram os quatro derradeiros defensores. O cadáver de Antônio Conselheiro foi exumado e sua cabeça decepada a faca. No dia 6, quando o arraial foi arrasado e incendiado, o Exército registrou ter contado 5.200 casebres.[8]

Resultado

O conflito de Canudos mobilizou aproximadamente doze mil soldados oriundos de dezessete estados brasileiros, distribuídos em quatro expedições militares. Em 1897, na quarta incursão, os militares incendiaram o arraial, mataram grande parte da população e degolaram centenas de prisioneiros. Estima-se que morreram ao todo por volta de 25 mil pessoas, culminando com a destruição total da povoação.

Na cultura popular

Literatura

Logo após o final da guerra, foram publicadas uma série de obras escritas por testemunhas oculares - militares, jornalistas e médicos. Entre outros (em ordem cronológica):
  • Canudos, história em versos, 1898, do poeta Manuel Pedro das Dores Bombinho, que participou como militar da Quarta Expedição contra o arraial.[9]
  • Descrição de uma Viagem a Canudos, 1899, de Alvim Martins Horcades, estudante de medicina a serviço do Exército, que descreve suas experiências no campo de batalha e denuncia a degola em massa dos presos - velhos, mulheres e crianças.[6]
  • Libelo republicano, acompanhado de comentários sobre a campanha de Canudos, publicado em 1899 por Wolsey (pseudônimo de César Zama), Bahia: Typ. e Encadernação do “Diário da Bahia”, 1899.
  • O Rei dos Jagunços, 1899, de Manoel Benício, correspondente de guerra do Jornal do Commercio - um livro de semi-ficção sobre os acontecimentos de Canudos e costumes sertanejos.[10]
  • A Guerra de Canudos, 1902, do tenente Henrique Duque-Estrada de Macedo Soares, militar na a última expedição contra Canudos.[11]
  • Os Sertões, 1902, de Euclides da Cunha, que passou três semanas no local do conflito como correspondente do jornal O Estado de São Paulo - um livro no qual procurou vingar os mortos no massacre: "Aquela campanha lembra um refluxo para o passado. E foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo".
Os Sertões de Euclides da Cunha acabou por tornar-se um dos mais importantes marcos da literatura brasileira, e como tal inspirou uma série de obras baseadas no conflito de Canudos, escritas no mundo todo. Os mais conhecidos são A Brazilian Mystic (Um Místico Brasileiro), 1919, do britânico R. B. Cunninghame Graham [12]; Le Mage du Sertão (O Mago do Sertão), 1952, do sociólogo belga Lucien Marchal [13]; Veredicto em Canudos, 1970, do húngaro Sándor Márai; A Primeira Veste, 1975, do escritor geórgio Guram Dochanashvili; e A Guerra do Fim do Mundo, 1980, do escritor peruano Mário Vargas Llosa.[14]

Cinema


Imagem do filme "A Matadeira" de Jorge Furtado, referindo ao canhão Withworth 32 usado na última expedição militar contra Canudos.
Além disso, a guerra inspirou muitos filmes também:
Os Sete Sacramentos de Canudos (Die Sieben Sakramente von Canudos). Filme produzido por Peter Przygodda para a ZDF Alemã, com participação dos diretores brasileiros Joel de Almeida, Jorge Furtado, Otto Guerra, Luís Alberto Pereira, Pola Ribeiro, Ralf Tambke e Sandra Werneck, 1996.[18] 

Fonte: Wikipédia

A Guerra de Canudos

No arraial de Antônio Conselheiro, em 1896, o Brasil atingiu finalmente a idade da razão



Mulheres, crianças e velhos. Os prisioneiros de guerra foram fotografados por Flávio de Barros. A imagem dos sobreviventes retrata a grande epopéia sertaneja que durou um ano e deixou mais de 25 mil mortos
Ao contrário do que se imagina, o momento em que alguém se torna independente não ocorre necessariamente quando a criatura se desliga da custódia de seus pais ou tutores. Desprendido da tutela de pessoas maduras, o jovem pode comprometer a independência recém-adquirida submetendo-se a más influências, vícios deletérios ou ilusões quanto a suas reais posses, sua condição ou seus potenciais. Nesse sentido, a verdadeira autonomia só se consolida com a chegada da idade da razão, assinalada pelo autoconhecimento, pelo senso de responsabilidade e pela capacidade de projetar um futuro com clareza de espírito, fazendo justiça à própria história de vida. A independência é muito mais um fato interno que externo, uma conquista da mente mais que qualquer símbolo concreto, título, data ou distintivo.

Se percorrermos a História do Brasil em busca de um momento que indique o advento dessa idade da razão, paradoxalmente iremos encontrá-lo em meio a uma das mais dramáticas crises de insanidade que se abateu sobre este jovem país. A Guerra de Canudos envolveu num conflito bizarro personagens que se viam como completos estranhos, embora cada qual fosse parte da mesma nação. Foi como um inesperado acesso de esquizofrenia que expunha, fragmentados em diferentes identidades conflitantes, os vários elementos históricos que compõem o corpo da sociedade brasileira. Com a crise vieram o diagnóstico e a proposta de uma terapia para redimir os males que retardavam o amadurecimento do país, configurados no relato épico de Euclides da Cunha, Os Sertões.

As origens do conflito revelavam as dificuldades do Brasil, preso ao padrão de uma economia agrária de modelo colonial, em se adaptar às dinâmicas da modernização no contexto internacional. Em meados do século XIX grandes acontecimentos transformaram o mercado mundial. A industrialização deu seus passos decisivos, com o desenvolvimento de novas fontes energéticas, como a eletricidade e os derivados de petróleo. Esse salto tecnológico se desdobraria em inovações que revolucionaram as comunicações, os meios de transporte e as técnicas de produção. O jogo de pressões resultante da expansão das potências emergentes causou, numa seqüência única, a abolição da escravidão, o declínio do Império e a Proclamação da República no Brasil. Esse reajustamento à nova ordem internacional afetou também a estrutura agrária brasileira, provocando um intenso êxodo rural. Um dos efeitos da desestabilização foi o surpreendente surgimento de Canudos.

A partir dos restos de uma fazenda abandonada em pleno sertão baiano, Canudos brotou e cresceu tão rápido quanto um cogumelo depois da chuva. Gentes vinham de todos os quadrantes do interior nordestino, atraídas pela comunidade que prosperava sob as bênçãos de um líder inspirado. Em menos de uma década o povoado já havia se tornado a terceira maior cidade da Bahia. Alarmados, fazendeiros e autoridades se viam na iminência de perder sua mão-de-obra devido ao êxodo em massa para o novo arraial. Um relatório da polícia alertou o governo federal de que "um indivíduo pregando doutrinas subversivas fazia grande mal ao Estado, distraindo o povo e arrastando-o após si, procurando convencer de que era o Espírito Santo".

Foi destacada uma força policial para suprimir os rebeldes, destroçada antes de chegar. Isso provocou o envio de dois destacamentos do Exército, os quais também foram desbaratados. Decidiu-se então mandar uma expedição militar completa, com artilharia e armamento moderno, que foi uma vez mais debelada. Pânico total! Organizou-se assim uma quarta expedição, composta de duas divisões do Exército e da maior concentração de armas já vista no país. Só desse modo e com imensas perdas a cidade rebelde foi vencida, quando se decidiu verter barris de querosene sobre as casas de taipa, queimando vivos os insurrectos. Os homens presos eram degolados ou estripados à faca, as mulheres e as crianças vendidas pelas tropas. Da cidade pujante e livre restaram só cinzas e fumaça.

Euclides não teve dificuldade em explicar as razões da força dos rebeldes. Ela era toda baseada na completa ignorância das elites a respeito do povo e do território. O Exército brasileiro era treinado por oficiais belgas, com manuais franceses, sobre táticas adequadas para combater nos Países Baixos. Não se tinha sequer um mapa do interior do país. Não se sabia nada sobre a ecologia das caatingas. Os uniformes vermelhos dos oficiais eram alvo fácil para os sertanejos. Os canhões afundavam no solo arenoso. As roupas de lã desidratavam as tropas. Um festival macabro de ignorância.

Canudos se defendeu com as armas que havia tomado às próprias tropas em fuga. A convicção férrea que animava seus combatentes provinha das raízes místicas profundas do catolicismo popular brasileiro. O alerta de Euclides era para que as elites desviassem o foco de seu interesse da Europa, voltando-se para reencontrar seu próprio povo e sua terra. Podemos repetir os erros, mas a lição está aí. O momento de o Brasil se encontrar consigo mesmo havia chegado. 

Fonte: Revista Época 


Canudos, um novo olhar

Descendentes do povoado na história e no cinema

Trazidos como “lembrança viva” da guerra de Canudos por soldados republicanos e distribuídos Brasil afora como presente a famílias, os órfãos de Canudos são um capítulo obscuro da história do Brasil que começa a ser investigado.
O destino de pelo menos um deles já foi rastreado: Ludgero Prestes, trazido por Euclides da Cunha e entregue à família do educador paulista Gabriel Prestes, tornou-se, como o pai adotivo, um educador. Com uma ajuda providencial da internet, a historiadora Vanessa Sattamini Varão Monteiro descobriu, via Google, que Ludgero Prestes foi o primeiro diretor da escola estadual Abílio Manoel, em Bebedouro, São Paulo. A historiadora então apurou que Ludgero teve quatro filhos e morreu aos 43 anos, de câncer. O próximo passo é achar a sua família adotiva para saber mais.
“Ele teve uma trajetória diferente da dos outros órfãos, que possivelmente viravam criados nas casas que os recebiam, numa espécie de nova escravidão. Essas crianças carregavam marcas porque seus pais eram vistos como jagunços, assassinos de soldados”, disse Vanessa, que é professora da PUC-Rio, em debate realizado na Biblioteca Nacional, no Rio, em 22 de novembro. Para ela, o silêncio sobre Canudos pode ser um indício de uma tentativa de se ocultar a história ou de ser criar uma nova história.
Também intrigado com o silêncio estratégico a respeito da violenta guerra de Canudos, que há 110 anos dizimou a população de cerca de 25 mil pessoas no interior da Bahia, o cineasta Paulo Fontenelle foi à cidade com câmera e equipe e lá rodou o documentário “Sobreviventes - Filhos da Guerra de Canudos”, que será lançado em breve. Fontenelle entrevistou descendentes de habitantes que, comandados por Antonio Conselheiro, construíram uma sociedade onde não faltava comida nem trabalho, e vivia independente da República. Orgulhosos do passado de glória do povoado e da resistência de seus familiares, homens e mulheres quase centenários deram a Fontenelle relatos emocionados da vida antes e depois da guerra.
O cineasta criticou que a propaganda que se faz hoje de Canudos não condiz com o que aconteceu de fato. Para ele, nem Conselheiro nem seus seguidores eram “loucos”, como costumam ser retratados. Ele lamenta que não tenha havido um esforço de se resgatar a história de Canudos quando os poucos sobreviventes que conheceram Conselheiro ainda estavam vivos. O que ele e sua equipe conseguiram foi a história contada de pai para filho. Já os filhos dos comandantes não quiseram dar entrevistas.
Vanessa e Fontenelle contaram sobre suas pesquisas no segundo encontro do ciclo Biblioteca Fazendo História, uma parceria da Revista de História da Biblioteca Nacional e da Biblioteca Nacional. Transmitido em tempo real pela Embratel, o evento foi acompanhado em Bebedouro, SP, por professores e alunos da escola que teve o órfão de Canudos como diretor. As perguntas enviadas e feitas pela platéia foram respondidas pelos debatedores. O debate foi mediado pelo editor da Revista, Luciano Figueiredo.
Fonte: História.Com.Br

Nenhum comentário:

Postar um comentário