quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Bom Dia!

Hoje vamos falar à respeito da Saúde da Mulher.
Como cuidar dos Pés?

Como deixar seus pés lisinhos e macios ?





No verão estaremos com nossos pés mais expostos e portanto precisamos ter atenção redobrada (embora esse problema não seja exclusivo desta estação do ano).
Não tem sandália que fique bonita com aqueles pés grossos (“hiperqueratose plantar”), rachados e ressecados.

O espessamento da pele é uma reação do corpo a alguns estímulos externos, seja ao atrito constante (com o calçado ou com o chão) ou ao excesso de carga (pressão exercida pelo aumento de peso do corpo sobre os pés). Portanto, a pele engrossar seria um mecanismo de defesa do organismo.
No entanto, além disso, também pode haver desenvolvimento de ressecamento, calosidades e áreas ásperas, ou mesmo rachaduras se for mais crônico.


A própria anatomia das plantas dos pés ou das palmas das mãos já predispõe esse processo: a camada superficial da pele é mais grossa, com maior quantidade de camadas córneas (células mortas queratinizadas). Além disso, nesses locais, temos menos glândulas sebáceas, o que predispõe a um maior ressecamento da pele em comparação a outras regiões do corpo.
Algumas dicas gerais sempre são importantes, embora possam não ser suficientes para deixar os pés do jeito que a gente sonha:
-Evite andar descalço em chão áspero.

Não use sapato apertado e nem com salto muito alto. Isso pode estimular a produção de calos nas regiões de maior pressão.
-Evite usar calçados totalmente rentes ao chão. Precisa ter um apoio plano (um pouco mais elevado do que o resto da sola) no região do calcanhar.
-Sempre use cremes hidratantes nos pés
-Evite o uso exagerado e freqüente de lixa, pois haverá estímulo constante para deixar a pele da planta do pé ainda mais grossa. Além de piorar rachaduras.
-Substitua a lixa por cremes esfoliantes.
-Se você tem rachaduras, pontos de sangramento, coloração diferente da pele dos pés ou das unhas ou manchas nos pés, procure seu dermatologista.
Existem várias receitas caseiras que tentam deixar seus pés lisinhos, mas muitas pessoas podem considerá-las demoradas, trabalhosas (pois tem que deixar os pés de molho e preparar as substâncias que serão colocadas na água) e não muito tão potentes.
O ideal então seria dar preferência para os cremes prontos que contenham vários dos ativos a seguir, para que possamos agir nas várias frentes de batalha:

1)Remover a camada da pele superficial e reduzir a espessura (que está muito grossa), tendo ação queratólitica, como por exemplo a uréia em alta concentração, ácido salicílico e/ou ácido glicólico.
2)Hidratar de dentro para fora (e não apenas por fora), como por exemplo glicerina, ácido lático e uréia.
3)Dar emoliência e restaurar a função de barreira da pele, como por exemplo óleo de groselha negra, óleo de semente de uva, ácido lático, vitamina E e alantoína.
4)Proteger contra agentes externos (vento, sol, poeira etc.) e manter a umidade natural da pele, como por exemplo os derivados de silicones.
5)Prevenir ou melhorar as fissura/rachadura, como por exemplo adicionando ativos cicatrizantes e anti-inflamatórios (calêndula, própolis, hamamelis, alantoína)
6)Prevenir a infecção dessa rachaduras, usando por exemplo agentes antissépticos, com propriedades anti-micóticas e anti-bacterianas (oxiconazol).
7) Deixar a pele com maciez e impedir que volte a ficar grossa e áspera, como por exemplo uréia e lactato de amônia.
Mas como, em geral, esses cremes prontos não contém todos esses ativos (ou esses ativos estão em concentrações fracas) para agir em várias vias, ou são cremes muito caros, podemos manipulá-los em farmácias de manipulação. Passe com seu dermatologista para maiores orientações.

Fonte: Saúde da Mulher

Cuidado Com Os Pés


Um pé bonito e bem tratado é muito importante. Vocês acham que as pessoas não reparam nos pés? Pois saibam que reparam, e muito!!
Apesar do uso de calçados fechados ser o mais indicado, os pés sempre são os primeiros que as pessoas desejam aliviar. Infelizmente o uso de chinelos prejudica a saúde já que deixam a postura e o “caminhar” incorretos. Os pés ficam relaxados, sem distribuição do peso ideal, o que pode ocasionar problemas nos joelhos, quadril e coluna.
Os calçados inadequados podem causar doenças nos pés, como a tendinite plantar, artroses de coluna, fadiga muscular excessiva e inflamações. No ambiente de trabalho, existem algumas funções em que o chinelo deve ser esquecido. As pessoas que ficam o dia inteiro em pé numa mesma posição ou em movimento podem optar por tênis ou sapatos, é o mais recomendável para que o passo fique correto.
Algumas pessoas têm problemas com inchaços nos pés, não conseguem se adaptar a um calçado fechado. As sandálias são uma boa opção, mas devem ser escolhidas as que possuem material macio e anatômico. Prefira saltos de até 4 cm; os mais baixos têm que ter pelo menos 1 cm, para deixar o calcanhar mais alto. Quando for trabalhar, prefira os calçados que não tem solado muito raso, pois servem para amortecer o impacto. A altura ideal é de 2 a 3 cm, pois ajuda na circulação e contrai a panturrilha melhorando o retorno do sangue para o coração. Consequentemente evita o inchaço nos membros inferiores.
Para se sentir confortável em suas atividades diárias, é importante observar se o calçado não está muito apertado, comprimindo o pé. Também não se deve deixar uma folga maior do que a necessária, pois pode causar bolhas ou calos.
Sheila Brognoli Coatti – Fisioterapeuta
Fonte: Link Feminino

Seus pés merecem todo cuidado

Se você tem algum problema nos pés como chulé, unhas encravadas ou calos, o hagah, com a ajuda de podólogos, dá a dica de como prevenir e tratar


Em geral, os pés são a parte do nosso corpo que não cuidamos direito e não damos a atenção merecida. São inúmeras pessoas que têm pés com bolhas, unhas encravadas, pé de atleta, chulé e tantos outros pequenos problemas que, na correria do dia-a-dia, acabam esquecidos. Por isso, o hagah foi falar com alguns especialistas para tentar ajudar a melhorar a aparência física e a saúde interna dos pés.

Que chulé!
O que é? O chulé, também conhecido como bromidose, é um odor que sai dos pés quando bactérias e fungos se alimentam das células mortas da região
Como prevenir? É necessário que os pés estejam bem lavados e bem enxugados, dando uma atenção toda especial para a região entre os dedos, pois esta é uma das principais regiões que os fungos e bactérias encontram para se proliferar.
Como tratar? De acordo com a podóloga e proprietária da clínica Pés em Paz, Maria Helena Chaves, a melhor forma de tratar pés com bromidose é usar sapatos arejados, usar uma colônia líquida e deixar os pés bem limpos. “É importante secar muito bem os pés e procurar um tratamento específico. Usar um bom creme para hidratar os pés também é superimportante”, diz.

Tira este calo daí!
O que é? São divididos entre calos e calosidades. Calos tem o tamanho de uma ervilha e são constituidos por uma camada extra de pele que se formam quando há constante fricção no local. Os calos podem ter consistencia dura ou mole. As calosidades são espessamentos de pele planos e indolores e se formam em articulações e zonas que suportam peso.
Como prevenir? A principal prevenção é não utilizar sapatos apertados e tentar ao máximo usar calçados que deixem o pé respirar.
Como tratar? O principal recurso de quem tem calos ou calosidades é fazer a remoção da parte onde tem o problema. “Tanto na calosidade quanto nos calos, é necessário fazer um desbridamento da queratose (calosidade) com bisturi e o acabamento é feito com uma lixa e hidratar posteriormente”, explica a podóloga e sócio-proprietária da clínica Podolog
Fonte: Hagah
 A diabetes é uma doença antiga, já muito estudada e conhecida pela medicina, mas que persiste gerando inúmeras mortes, complicações, estados de dependência e gastos com a saúde. Uma complicação grave e relativamente comum é a amputação de partes dos membros inferiores, em conseqüência a infecções em ferimentos dos pés. Aprenda a evitá-los".

Como a diabetes gera complicações nos pés?

A persistência de um alto nível de glicose no sangue durante muito tempo pode causar lesões nos vasos sanguíneos, reduzindo a chegada de sangue aos pés. Esta redução da circulação pode enfraquecer a pele, contribuir para o aparecimento de ferimentos e dificultar a cicatrização dos mesmos. Além disso, o excesso de açúcar no sangue pode lesar os nervos, reduzindo a capacidade de sentir dor e pressão sobre os pés. Sem essas sensações, é fácil desenvolver calos de pressão, lesar a pele, os ossos, as articulações e os músculos acidentalmente. Com o tempo, lesões do osso e articulações podem alterar toda a modelagem do pé. As lesões dos nervos também, uma vez que elas acabam por enfraquecer os músculos locais.

Quais as possíveis conseqüências das complicações nos pés?

A diabetes pode gerar diferentes tipos de complicações nos pés, incluindo pé de atleta (uma infecção por fungos), calos e úlceras que podem ser desde superficiais até muito profundas. Complicações mais sérias incluem infecções profundas de pele e osso.

A complicação mais séria é a gangrena (apodrecimento e morte dos músculos e da pele do pé), que pode culminar com a necessidade de amputação do pé. Cerca de 5% dos indivíduos com diabetes eventualmente são submetidos à amputação de um pé. Mas esta trágica consequência pode ser evitada em 90% dos casos, se houver controle adequado dos níveis de glicose no sangue e um cuidado diário com os pés.

Os fatores que aumentam o risco de ocorrência de complicações são: a existência prévia de úlceras, a existência de lesões nos nervos, circulação deficiente e controle precário da glicemia.

Como prevenir?

Pacientes com diabetes tipo 1 devem passar por uma avaliação anual dos pés após 5 anos de diagnóstico. Já os pacientes com diabetes tipo 2 devem iniciar o acompanhamento dos pés 1 ano após o diagnóstico.

Durante este exame, o médico checa sinais e sintomas que sugiram circulação deficiente, lesão neurológica, alterações de pele e deformidades. Os pacientes devem estar atentos e relatar ao médico quaisquer alterações que tenham percebido com relação aos seus pés.

São sinais de circulação deficiente: pulsos fracos, pés frios, pele azulada e falta de pêlos. São sinais de lesão neurológica: sensações incomuns nos pés e pernas, como dor, queimação, formigamento, frio e cansaço. Será útil se o paciente souber perceber e descrever a ocorrência destas sensações, o local afetado por elas e quais medidas aliviam os sintomas. Algumas vezes a lesão neurológica pode ocorrer gradualmente sem gerar sintomas, até que a pessoa perca a sensibilidade a ponto de ferir os pés em alguma pedra ou mesmo no próprio sapato, sem perceber. O perigo maior, neste caso, é a pessoa só perceber a lesão quando ela já estiver infectada. Por este motivo é que o médico deve avaliar se o paciente já apresenta alguma alteração ou perda das sensações nos pés.

O exame pode revelar alterações nos reflexos e perda da capacidade de perceber pressão, vibração, alfinetadas e alterações na temperatura. O médico dispõe de equipamentos especiais para ajudar a quantificar a extensão de qualquer lesão no nervo.

As alterações de pele também devem ser avaliadas, devendo-se estar atento para ressecamento excessivo, rachaduras ou descamações, que evidenciam um comprometimento do efeito protetor da circulação. Também deve-se estar atento para calos, ferimentos e rachaduras entre os dedos.

A aparência e forma dos pés podem ser reflexo das lesões dos nervos.

Que medidas podem reduzir o risco das complicações no pé do diabético?

Um controle adequado do sangue pode reduzir as lesões em vasos e nervos que vão predispor às complicações. Nos casos em que já há lesões, o controle adequado da glicemia reduz o risco da lesão progredir para uma amputação. Algumas ações simples como as seguintes podem reduzir o risco de complicações no pé:

- Não fumar: o cigarro agrava problemas vasculares e cardíacos e reduz a qualidade da circulação nos seus pés.

- Evitar atividades que podem lesar seus pés: evitar andar descalço, manter os pés secos e limpos, aplicar loção hidratante para evitar pele seca e rachaduras, tomar cuidado ao cortar as unhas, não retirar cutículas, não estourar bolhas, avaliar os pés diariamente (principalmente entre os dedos) em busca de lesões.

- Escolha meias e sapatos com cuidado, preferindo meias de algodão e sapatos confortáveis.

- Troque de sapato todos os dias. Não use o mesmo sapato mais de um dia seguido, e use novos sapatos aos poucos, para evitar bolhas.

- Peça ao médico para examinar seus pés ao menos uma vez por ano, e mais frequentemente se você estiver notando alguma alteração.

Como tratar as complicações dos pés?

Este tratamento depende da presença e da gravidade de úlceras nos pés. Para úlceras superficiais envolvendo apenas a superfície da pele, o tratamento inclui cuidado profissional para limpar a úlcera, retirando as partes que já estiverem mortas. Se houver infecção, devem ser prescritos antibióticos. O paciente (ou alguém em sua residência) deverá limpar a úlcera e aplicar um curativo limpo duas vezes ao dia, devendo também manter repouso e manter o pé machucado elevado. A úlcera deve ser avaliada semanalmente por um profissional, que irá verificar se o tratamento está sendo eficaz. No caso de úlceras mais profundas, envolvendo músculos e ossos, usualmente é necessária a hospitalização, o uso de antibióticos endovenosos e a realização de alguns exames de sangue e radiografias. Algumas vezes chega a ser necessária a remoção de ossos infectados.

Quando partes dos pés ou dedos dos pés se tornam gravemente lesados, com tecido morto sem chance de ser recuperado, torna-se necessária a amputação (das áreas com tecido morto), que só é realizada em último caso.

Quais os tratamentos no futuro?

Várias pesquisas vêm sendo realizadas com o tratamento das complicações do pé diabético. As novas opções incluem alguns tratamentos de eficácia já comprovada e disponíveis no mercado, mas ainda caros, como a “medicina hiperbárica”, que consiste da exposição da úlcera a elevados níveis de oxigênio, estimulando o crescimento celular através de uma oferta aumentada de oxigênio (que é um agente importante da cicatrização). Outras opções em andamento são os tecidos sintéticos, o crescimento artificial da pele, as substâncias que estimulam a cicatrização e a estimulação elétrica.

Viva tranqüilo com o seu pé

Para os pacientes com diabetes, as complicações do pé são um perigo constante. Entretanto, se você e seu médico trabalharem juntos, podem elaborar um plano de tratamento para deixar seus pés tão saudáveis quanto possível. Ao mesmo tempo em que os exames médicos de rotina são com certeza importantes, seu cuidado diário com os pés tem um importante papel para evitar complicações antes que elas ocorram. Você pode aprender muito sobre esse assunto com o seu médico.

Fonte: Bennett, Plum et alli. Cecil Tratado de Medicina Interna. 20 ed. Ed.Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro, 1997.

Estudo mostra comportamento do brasileiro em relação ao cuidado com os pés

Homens e mulheres têm preocupações diferentes: elas previnem, eles tratam


As mulheres dão mais atenção à saúde dos pés que os homens e, enquanto elas cuidam periodicamente por questões de estética, eles tratam somente quando necessário. É o que mostra uma pesquisa inédita sobre o comportamento do brasileiro em relação ao cuidado com os pés. Realizado pela multinacional francesa de pesquisas Ipsos e encomendado pela Dr. Scholl’s, o estudo foi feito com 1.400 pessoas, em dez capitais brasileiras.
Segundo a pesquisa, as mulheres se preocupam mais com os pés por uma questão estética, já que os deixam mais à mostra devido ao uso de calçados abertos. Para o público feminino, pés bem cuidados são sinônimo de beleza, higiene e saúde. Em contrapartida, os homens só prestam atenção nos pés quando sentem algum incômodo. Frieira e mau cheiro, por exemplo, são alvos de atenção por causa de possíveis constrangimentos.
Em ambos os grupos, as principais motivações para cuidar dos pés são conforto e preservação das atividades. Mas, embora os pés sejam percebidos como o alicerce do corpo, responsáveis pela autonomia e independência, sua saúde é relegada a segundo plano pela maioria esmagadora dos entrevistados, que prioriza o rosto e o corpo. Em relação ao cuidado, 94% dos usuários de produtos para os pés acreditam que cuidar deles faz parte da saúde do corpo, enquanto 91% o fazem por higiene.
O estudo também aponta os problemas que mais afligem os entrevistados. As mulheres são as vítimas preferenciais de pés ásperos, calosidade, unha encravada, joanete, chulé e rachaduras. Já os homens sofrem mais com calosidade, rachadura, chulé, frieira, umidade e joanete.  O levantamento revela também que nem sempre é possível aliar beleza e bem-estar quando o assunto é a escolha do calçado. Parcela significativa dos entrevistados afirma que os sapatos incomodam devido a aperto, a deformidade e a características do calçado ou da palmilha, causando dor e desconforto.
Fonte: Donna

Cuidados com os pés

 
 Não basta, apenas, visitar a pedicura. É importante ter cuidados diários com os pés. Não só está a contribuir para que fiquem impecáveis no Verão, quando usa sandálias, mas também a contribuir para o seu bem-estar!Eis alguns cuidados que deve ter em conta, todos os dias: Lixe os pés
A pele dos pés é mais espessa e resistente do que a de outras áreas do corpo, por isso facilmente a sola fica com calosidade e células mortas. Assim, para retirar o excesso de calosidade deve limar, semanalmente, a região dos calcanhares e a sola com uma lima própria para os pés ou com uma pedra-pomes. A melhor altura para limar os pés é depois do banho, já que a pele está mais mole.
Pés macios
Para amolecer a pele dos pés deixe-os de molho, durante dez minutos, em água morna com vinagre (para cada litro de água acrescente meio copo de vinagre). De seguida, massageie os pés com óleo de amêndoas ou com um creme hidratante. Faça isto uma ou duas vezes por semana.
Esta é também uma boa altura para limar os pés e as unhas, mas antes de massagear os pés com o creme.
Unhas impecáveis
Corte as unhas de quinze em quinze dias, de preferência depois do banho. Use um alicate ou uma tesoura para as cortar. Também pode simplesmente apará-las com uma lima, sobretudo se for regularmente à pedicure. Não deve cortar demasiado as unhas nem deixá-las muito compridas. O fato de estarem muito compridas contribui para a acumulação de resíduos e sujidade; e se as cortar demasiado pode correr o risco de lhe encravar uma unha.
Cuidado com a cutícula
Para ter umas unhas apresentáveis, o ideal é empurrar a cutícula cuidadosamente com uma espátula própria. O excesso de pele pode ser removido com o alicate, mas tem de ter muito cuidado, pois pode correr o risco de ter uma inflamação. Se não estiver habituada a retirar o excesso de pele, depois de empurrar a cutícula, o melhor é deixar esta tarefa para a pedicure.
Lave os pés
Lave muito bem os pés! Não basta deixar que escorra a água enquanto toma um banho. Deve passar com a esponja entre os dedos. Depois do banho, é importante secar muito bem os pés, pois a umidade acumulada pode dar origem a micoses.
Protetor solar
Na praia, coloque protetor solar nos pés. Apesar de terem uma pele mais resistente, não devem de forma alguma ser esquecidos. Além de evitar que a pele fique ressequida, está igualmente a prevenir o cancro de pele.
Calos: o que fazer?
O uso de sapatos apertados, não arejados e de salto alto facilita o aparecimento de calos. Estes devem ser retirados por uma especialista. Mas, a calosidade que costuma aparecer na zona dos calcanhares e na sola dos pés não passa de uma reação natural da pele ao atrito causado pelo andar, pela má postura ou pelo uso de certo tipo de calçado. Para atenuar esta calosidade, deve limar os pés, corrigir a postura e usar calçado confortável. Se não fizer nada, a calosidade acumula, o que é pior.
Fonte: Olhar Feminino

Os cuidados com os pés durante o inverno

Os cuidados com os pés durante o inverno
Com as temperaturas mais baixas, os nossos pés sofrem ainda mais. Com o frio, eles estão ainda mais suscetíveis a problemas como calos, frieiras, micoses e as temidas unhas encravadas. Não é só questão de beleza mas sim, de saúde. Os sapatos fechados - protagonistas da temporada - também pode ser os vilões dos nossos pezinhos, principalmente aqueles realizados com materiais sintéticos. Quem alerta é a podóloga Cinthia Cordeiro Belo que fala de alguns cuidados básicos, como cortar corretamente as unhas além de escolher o sapato mais adequado.
“Cuidar dos pés não é uma mera questão de vaidade, mas um sinal de saúde. Não utilizar a mesma toalha de uma pessoa que já possua algum tipo de micose e evitar tomar banho descalço em lugares públicos é outra importante medida”.
Os calos podem ser tratados com o uso de protetores ou palmilhas, além da aplicação diária de hidratantes, continua a especialista. No entanto, nem todo tratamento é eficaz. Importante evitar o uso de calicidas, pois são à base de ácido e se não forem usados adequadamente podem causar úlceras profundas, que dificultam mais o tratamento.
Cinthia participa do IV Encontro de Podologia do Norte do Paraná que acontece em Guarapuava, no Hotel Blue Tree Premium. O evento reúne profissionais para a troca de conhecimento, novidades e conhecimento de novos produtos.
Fonte: As Marias

Cuidar da saúde dos pés previne dores e problemas futuros

Doutora em biomecânica Isabel Sacco e consultor D'Elia foram convidados.
Eles falaram dos prós e contras de cada sapato, cãibras e escalda-pés.

Do G1, em São Paulo
Cuidar da aparência dos pés, fazer as unhas, lixá-los e hidratá-los é fundamental. Mas também é preciso conhecer qual é o seu tipo de pé e de pisada na hora de comprar um sapato, por exemplo. Essa noção sobre si mesmo ajuda a evitar problemas ortopédicos e musculares.
A saúde dos pés foi tema do Bem Estar desta quarta-feira (31), que recebeu no estúdio a doutora em biomecânica Isabel Sacco e o preparador físico José Rubens D'Elia. Eles falaram sobre os prós e contras de alguns calçados, escalda-pés, cãibras, salto alto e dor, entre outros assuntos relacionados.
Pés (Foto: Arte/G1)
O consultor de atividade física também passou uma série de alongamento que serve para todo tipo de pé, mas é mais importante para o cavo. Da mesma forma que é bom se alongar ao acordar, para melhorar a postura e esticar os músculos, é importante alongar os pés, que têm mais articulações que as pernas.
Já os exercícios de fortalecimento, que podem ser feitos com a ajuda de uma toalha, também são importantes para quem usa muito os pés e vive se mexendo, correndo, andando, praticando esporte e usando calçados apertados, o que impede movimentos naturais e fisiológicos.
O fortalecimento é especialmente indicado para quem tem os pés planos (ou “chatos”), porque ficam por inteiro em contato com o chão, principalmente a planta, que se torna a parte mais atingida, ficando fraca e rebaixada.
5 dicas para os seus pés:
1 – Hidrate-os
As células da superfície da pele absorvem o hidratante e ficam mais saudáveis. Quando você deixa o pé seco, ele se machuca e abrem pequenas rachaduras, que servem de porta de entrada para bactérias. O creme evita essas fissuras, e há duas coisas importantes para observar na hora de comprar um hidratante. Primeiro, eles devem conter, preferencialmente, lanolina e vaselina. Além disso, é bom evitar passar muita lixa, porque isso aumenta a calosidade e engrossa a sola.
2 – Observe-os ao final do dia
Ficar atento a calos, bolhas e manchas avermelhadas pode ajudar você a entender se está usando um sapato adequado ou não. Se perceber que o sapato está deixando o pé marcado, pode ser um sinal de que precisa mudar de calçado. Às vezes, aumentar ou melhorar a amarração já pode ser suficiente.
3 – Opte pelo sapato mais flexível
Na hora de comprar um calçado, uma boa dica é sempre optar pelo mais maleável. Borracha dura e solados muito rígidos são problemas que prejudicam a todos, mas ainda mais quem anda muito. O movimento anatômico do sapato na hora de mover o pé é imprescindível.
4 – Para caminhadas, use amortecedor
Na hora de escolher um sapato para caminhar ou correr, é fundamental perceber se ele tem amortecedor. Quando você caminha, seu corpo recebe impacto. No dia a dia, amortecer essa pressão é importante, ainda mais para quem corre ou caminha por muito tempo ou para quem está começando.
5 – Ande mais descalço
Andar descalço é bom porque preserva a saúde dos pés e mantém os músculos ativos, as articulações móveis e as juntas saudáveis. O pé é tão vivo quanto suas coxas, pernas e braços. Pé dentro de calçado fica “enjaulado”, com pouca possibilidade de se mexer. Pode-se andar descalço com meia, para quem não gosta de caminhar com os pés diretamente no chão. Só é preciso cuidar com os idosos, que tendem a escorregar mais. Por isso, eles precisam de sapatos antiderrapantes.
Vantagens e desvantagens de 10 tipos de sapato:
1 - Plataforma: aumenta o risco de quedas, tira a estabilidade da caminhada, reduz a mobilidade e altera a forma de apoio em mata-borrão dos pés, que é esperada no andar normal.
2 - Salto alto com bico fino: muda a estrutura e a forma de andar, o bico comprime os dedos, encurta os músculos da batata da perna, aumenta a lordose lombar e favorece as cãibras nos pés e nas pernas.
3- Salto baixo com bico redondo: é melhor que o alto, e o bico arredondado é mais indicado para os dedos.
4 - Sapato tipo de boneca: não tem problemas, é confortável e tem o bico redondo e sem salto. Só é pouco flexível.
5 - Bota de cano alto com salto: o salto pode aumentar o risco de quedas ao tirar a estabilidade dos pés.
6 - Bota de cano baixo sem salto: é melhor, pois o cano baixo protege mais contra torções em relação ao calçado que não é bota nem tem salto.
7 - Sapato social de homem: tem pouca flexibilidade. É preferível um sapatênis para quem caminha ou fica em pé por muito tempo.
8 - Sapatênis: é melhor que o sapato social, porque o cadarço ajuda a fazer o ajuste com o tamanho dos pés e é mais flexível. Também absorve mais o impacto do dia a dia.
9 - Tênis com solado alto: é muito ruim, prejudica a pisada e não favorece os pés. O problema está na distância do calcanhar em relação ao chão.
10 - Tênis para corrida e caminhada: não pode ter um amortecedor muito grande (no máximo, de 2 a 3 cm de altura), mas também não pode ter palmilha reta. Precisa ser flexível e confortável.
Fonte: Bem Estar

Vamos agora ir ao mundo colorido e da paz, sempre com os nossos artesanatos.
Assim, voltaremos na época das nossas vovós.

Para aqueles que gostam de andar cheiros e sentir dseliciosos perfumes, aqui vão algumas dicas.   



LEMBRANCINHA
MADRINHA
PADRINHO
CHÁ DE COZINHA/CHÁBAR
PRODUTOS INFANTIS
BICHINHOS
MENINA
MENINO
TAGS


Podemos usá-los ou ter como objetos de Decoração, e, deixar um delicioso perfume em nosso ambiente.

Vender Sabonetes Artesanais

Você também pode começar a iniciar seu próprio negócio, se muitos conseguem… No conforto da sua residência, mesmo não tendo muito dinheiro, desempregado ou não, é uma ótima fonte de lucros, o bom negócio gera lucros o ano todo, mesmo com essa falta de emprego e dinheiro.
Negocio
Se você nunca tentar não vai conseguir, e a desculpa é sempre a mesma: o que eu vou vender? Então aqui está a resposta: sabonetes artesanais. São rápidos de serem feitos e nem precisa de muito dinheiro para comprar os materiais. Só falta um pouco de boa vontade e pronto.
Renda
Comece a fazer os sabonetes, você vai ver: além de ocupar o seu tempo, não vai mais precisar pedir aquele dinheirinho para o marido ou esposa, além de serem lindos presentes, você vai ajudar aquelas pessoas que não tem idéia alguma do que vão dar de presente.

Materiais

Uma esponja de cozinha que seja áspero-macia nas cores verde e amarela, um sabonete de sua preferência que seja liso e tenha formato de medalhão, mas precisa ser branco, tintas de tecido das cores que preferir uma faca de cozinha de lâmina lisa, verniz geral, pincel de cerdas macias, uma caixa de acrílico transparente do tamanho do sabonete que será utilizado para condicionar este, para limpar os pincéis pegue um pano de algodão, tinta de alto relevo prata ou dourado, dependendo das cores da pintura e folha de ceda, da cor que preferir.

Passo a Passo

Com a faca corte as saliências do sabonete branco. Pegue a esponja do lado verde (áspero) acerte o sabonete, como se a esponja fosse uma lixa, mas passe com cuidado para não arranhar o fundo do sabonete.
Fazer
Para dar brilho e um bom acabamento, passe o lado amarelo (macio) da esponja. Faça a pintura que desejar no sabonete ou découpage e com a tinta de alto relevo dar cor que escolheu, faça pequenos pontilhados em volta do sabonete, dando impressão que seja uma moldura.
Importante: Por mais ou menos duas horas deixe sua peça secar, o tempo de secagem pode ser a te mais longo, certifique-se que esteja bem seco. Passe duas mãos de verniz por toda a sua peça, inclusive por cima do pontilhado de alto relevo, mas precisa ser com um pincel de cerdas macias como foi pedido nos materiais, e deixe secar por um longo tempo novamente, é preciso que a peça esteja bem seca antes e depois de feita a pintura, tanto do desenho, quanto do verniz.

Embalagem

Com a folha de seda forre a caixinha para colocar seu sabonete, servirá como um embrulho. O sabonete pode ter usos normais, do dia a dia, o lado que não possui pintura irá se desgastar, o outro não, pois o verniz geral protegerá. Está pronto!
Fonte: Cultura Mix








Um comentário:

  1. Olá! adorei o Blog, ainda mais este Post que fala sobre sabonetes. Faço sabonete sem conservantes e com formatos incríveis! Já estou te seguindo, me retribui a visitinha? Beijos
    www.dinardiexclusividades.blogspot.com

    ResponderExcluir